Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.
Partilhe Artigo
X
A amamentação também é boa para mim!

A amamentação também é boa para mim!

 

Ter sempre leite pronto a tomar e perfeitamente adaptado ao meu bebé, perder os quilos a mais sem "estar em dieta", aproveitar ao máximo este verdadeiro antidepressivo… Decidido: vou amamentar o meu bebé!

Sexta-feira, 22 de Abril de 2016

Benefícios da amamentação para si

 

É verdade, amamentar requer que a mãe esteja em "alerta permanente", pelo menos nas primeiras semanas. Contudo, se tomou a decisão de amamentar, não se esqueça que vai valer a pena e que vai trazer benefícios duplos, uma vez que tem vantagens para a sua saúde e para a saúde do seu bebé, e também para ajudar a subir a moral, já para não falar do aspeto prático da amamentação, sempre disponível, à temperatura ideal e é gratuita.

 

Benefícios fisiológicos

  • Oxitocina, uma das hormonas libertadas durante a amamentação, que promove contrações do útero. Estas podem ser mais ou menos dolorosas durante os primeiros dois ou três dias, mas permitem ao útero recuperar mais rapidamente o seu tamanho, a forma e a tonicidade anterior à gravidez. Além disso, esta hormona reduz as perdas de sangue e o risco de hemorragia pós-parto. Também favorece uma melhor remineralização óssea e, por isso, diminui o risco de osteoporose após a menopausa. Vários estudos científicos indicam também que a amamentação a longo prazo (num total de seis a doze meses) contribui para a redução do risco de cancro da mama, ovários e útero.
  • Outra vantagem importante é que a amamentação promove a utilização das "reservas" acumuladas durante os nove meses de gravidez e aumenta a taxa de gasto energético do seu organismo. Desta maneira, desde que tenha uma alimentação equilibrada e evite petiscar entre refeições, a amamentação permite-lhe perder peso mais rapidamente sem ter de fazer dieta!

 

Ajuda a subir a sua moral!

  • A "montanha russa" hormonal durante a gravidez e na fase pós-parto, combinada com as novas responsabilidades de mãe e com o cansaço, são fatores que podem contribuir para a "melancolia pós-parto". A amamentação é um aliado chave durante este período de transição, quando você ainda está a tentar adaptar-se à sua nova situação, já que a amamentação promove a libertação da oxitocina, uma hormona que ajuda a descansar e a relaxar a mãe.
  • Finalmente, ao amamentar também está a tornar a sua vida mais fácil: não há biberões para preparar, aquecer e lavar, o que no início ocorre normalmente dez vezes ao dia! E além disso, economiza!        

 

Devo voltar a usar métodos contracetivos?

A amamentação geralmente protege-a de voltar e engravidar, pelo menos enquanto estiver a dar de mamar e se for exclusiva e frequente. As quatro condições que devem ser respeitadas de forma a gozar de uma proteção superior a 98% (equivalente à proteção da pílula ou do dispositivo intrauterino) são:

  • Aleitamento materno exclusivo, isto é, sem lhe oferecer mais nenhum alimento ou bebida ao bebé;
  • Que a menstruação não tenha regressado;
  • Que não passe mais de seis horas entre mamadas;
  • Que dê pelo menos 6 mamadas longas ou 10 mamadas curtas por dia.

O regresso da menstruação ocorrerá quando deixar de amamentar. Contudo, não se esqueça que uma mulher pode ovular (e ficar grávida) sem ter menstruação. Para evitar uma gravidez indesejada, consulte o seu médico ou ginecologista para que seja prescrita uma minipílula de progesterona compatível com a amamentação.

Importante: Os preservativos, espermicida e diafragmas também podem ser utilizados, em particular nos primeiros meses depois da gravidez. O seu ginecologista pode ainda colocar um dispositivo intrauterino (DIU) a partir do final do primeiro mês pós-parto.

Ler mais

Junte-se ao Clube Bebé Nestlé

Ser mãe pode ser um descanso. Inscreva-se no nosso clube e receba informação personalizada para si e para o seu bebé!

  • Ofertas ExclusivasOfertas Exclusivas
  • Benefit 3Informação Personalizada
  • Amostras e Vales
  • Programa Educativo de NutriçãoPrograma Educativo de Nutrição

Inscreva-se já!

Conteúdo Relacionado
Artigo Comentários