Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.
Partilhe Artigo
X

Questões frequentes - F.A.Q.

 

Não importa se uma cesariana é feita por indicação médica ou a pedido do casal: vem sempre com muitas questões importantes para os pais. Por isso, juntámos as perguntas mais frequentes e respetivas respostas de peritos experientes.

Quinta-feira, 5 de Janeiro de 2017

Qual é a origem do nome “Cesariana”?

Nem a origem, nem o significado do termo “cesariana” estão totalmente clarificados. Julga-se que se poderá dever às descrições históricas de que Júlio César, o ditador Romano, foi “cortado” da barriga da sua mãe. Para além disso, o verbo em Latim “caedere“ significa “cortar“, podendo esta palavra estar na origem do termo cesariana.

 

Com que frequência as mulheres dão à luz através de cesariana e porquê?

Em Portugal, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística, 36,3% dos partos em 2010 foram por cesariana, cerca de 10% mais cesarianas do que em 1999. Este aumento do número de cesarianas deveu-se a várias razões:

  • Cada vez mais pais querem escolher cesariana.
  • As técnicas cirúrgicas e de anestesia atuais são mais seguras.
  • A maior disponibilidade de antibióticos e transfusões sanguíneas, minimizou os riscos cirúrgicos.
  • As mães que já fizeram uma cesariana também escolhem esta metodologia para os partos seguintes.

 

Qual é a diferença entre cesariana primária e secundária?

A cesariana primária (ou cesariana eletiva) é planeada antes de se iniciar o trabalho de parto. Ou seja, nem o rompimento das membranas amnióticas, nem as contrações, tiveram início. A cesariana por escolha do casal também é primária (eletiva).
Do ponto de vista médico, existem indicações absolutas e relativas para uma cesariana eletiva. É absolutamente inevitável se um parto vaginal colocar em risco a vida da mãe ou do bebé. Uma indicação relativa ocorre, por exemplo, quando o posicionamento do bebé no útero não é favorável. Neste caso, a cesariana não é inevitável, mas é recomendada.

No caso das cesarianas secundárias, a decisão de optar por um parto cirúrgico ocorre depois do trabalho de parto ter-se iniciado. Por outras palavras, o rompimento das membranas amnióticas e as contrações já começaram. Existem várias indicações médicas para uma cesariana secundária, nomeadamente falta de movimentação do bebé, diminuição dos seus sons cardíacos ou possibilidade de falta de oxigénio.

 

A cesariana é menos dolorosa do que o parto vaginal?

Normalmente, a cirurgia é feita com anestesia local de modo que o procedimento seja indolor. Contudo, deve estar preparada para ter dores na cicatriz durante as primeiras semanas após o parto. O parto vaginal implica dor durante o trabalho de parto, mas – em comparação com a recuperação de uma cirurgia – estas dores não são de longa duração.

 

O que significa cesariana “suave”?

Para além da incisão abdominal usual (também conhecida por “corte de biquini”), também existe o método de Misgav-Ladach, por vezes referido como “cesariana suave”. Neste método, o tecido muscular leva apenas algumas incisões e a parede abdominal e o útero são abertos por alongamento e torção. Este método pode parecer desagradável, mas a grande vantagem é que as cicatrizes saram muito mais rapidamente e com menos complicações.

 

É verdade que a amamentação após uma cesariana é especialmente importante?

Quando atravessam o canal de nascimento, os bebés nascidos por parto vaginal ingerem bifidobactérias benéficas da flora vaginal da mãe. Estas bactérias alojam-se no intestino do bebé e ajudam a desenvolver uma flora intestinal saudável, logo desde o início, que é muito importante para um sistema imunitário robusto.

Um bebé nascido por cesariana não entra em contacto com estas bactérias do canal vaginal, perdendo a importante condição promotora de uma flora intestinal rica em bifidobactérias, favorecedora de um sistema imunitário robusto. O desenvolvimento de uma flora intestinal protetora (rica em bifidobactérias) é muito importante. Genericamente, o leite materno é a melhor forma de nutrição já que contém naturalmente estas bifidobactérias, fornecendo-as ao intestino do bebé. 

Mesmo depois do período da amamentação, o desenvolvimento e manutenção de uma flora intestinal rica em bifidobactérias continua a ser muito importante. 

 

Quanto tempo deve esperar para ficar novamente grávida?

Após uma cesariana, os peritos recomendam esperar pelo menos um ano até à próxima gravidez. No entanto, se ficar grávida pouco tempo depois de uma cesariana deve consultar o seu médico. Se se sentir bem e se não existirem contraindicações médicas, poderá prosseguir com o seu programa de planeamento familiar tal como deseja.

 

É possível ter um parto vaginal após ter feito uma cesariana?

Graças às novas metodologias cirúrgicas e ao desenvolvimento da medicina, dar à luz pela primeira vez através de uma cesariana não obriga a que, numa segunda gravidez, o parto seja por cesariana. Contudo, a probabilidade de que a uma primeira cesariana se siga uma segunda é relativamente elevada. Se a mãe decide deliberadamente optar por uma segunda cesariana, a incisão é normalmente feita no local da primeira de modo a evitar uma nova cicatriz.

 

Depois de uma cesariana, quando é novamente permitido praticar desporto?

O exercício mais importante após o parto, é a “educação pélvica”. Comece-a logo que deixe de ter dores. Quanto a outras atividades desportivas, deve esperar pelo menos quatro meses e deve consultar o seu médico ou enfermeira. Já agora, o maior perigo não é o de a cicatriz reabrir, mas sim de ocorrerem microfissuras. Estas pequenas feridas internas podem originar aderências que podem ser extremamente dolorosas.

 

 

Ler mais

Junte-se ao Clube Bebé Nestlé

Ser mãe pode ser um descanso. Inscreva-se no nosso clube e receba informação personalizada para si e para o seu bebé!

  • Ofertas ExclusivasOfertas Exclusivas
  • Benefit 3Informação Personalizada
  • Amostras e Vales
  • Programa Educativo de NutriçãoPrograma Educativo de Nutrição

Inscreva-se já!

Conteúdo Relacionado