Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.
Partilhe Artigo
X
Porquê 1000 dias?

Porquê 1000 dias?

 

1000 dias são justamente os primeiros 3 anos de vida do bebé, desde o momento de conceção até aos 2 anos de idade.

Quinta-feira, 25 de Agosto de 2016

Este período abrange várias etapas da mãe e do próprio bebé, desde a gravidez, aleitamento materno até à diversificação alimentar. Durante estas etapas o bebé cresce, desenvolve-se e adquire hábitos alimentares que irão perdurar ao longo da sua vida adulta. Por essa razão, uma alimentação adequada durante os primeiros 1000 dias é fundamental e determinante na saúde do seu bebé.

Sabemos que como mãe a sua prioridade é proporcionar um futuro saudável ao seu bebé. E por isso, estamos aqui para ajudar, etapa a etapa, a dar-lhe o melhor início da vida.

GRAVIDEZ

Durante a gravidez, a alimentação materna deve conter quantidade suficiente de energia e de nutrientes para colmatar as necessidades, tanto da mãe como do bebé em crescimento.

Isto não significa que tenha de “comer por dois”! Pelo contrário, significa que deverá comer melhor e ter em conta que poderão ser necessários suplementos para suprir as necessidades elevadas em alguns nutrientes, ajudando assim a prevenir problemas futuros.

O ácido fólico, por exemplo, é um nutriente essencial para prevenir problemas ao nível do tubo neural do bebé. É, por isso, recomendável que, antes e durante a gestação, a grávida tome suplementos que contenham ácido fólico, como complemento de uma alimentação equilibrada e variada.

 

ALEITAMENTO MATERNO

O leite materno é o caminho natural para otimizar o potencial de crescimento e a saúde futura do seu bebé. Por esta razão, deverá ser sempre a primeira opção.

Contém bactérias benéficas (bifidus) e uma quantidade adequada de proteínas, gorduras, hidratos de carbono, vitaminas e minerais, necessárias ao correto desenvolvimento do bebé. Além disso, a sua composição altera-se e adapta-se às diferentes necessidades ao longo do crescimento do bebé. O colostro – o leite dos primeiros dias a seguir ao nascimento – é diferente nutricionalmente do leite de transição – do terceiro dia às duas semanas de vida – bem como do leite maduro – a partir das duas semanas. Isto significa que o leite materno é uma nutrição dinâmica que se adapta e se ajusta às diferentes necessidades nutricionais do bebé.

Além disso, o processo de amamentação também traz benefícios para as recém-mamãs, mesmo que no início – por exemplo, no caso de cesarianas – possa ser mais difícil. Se o leite tardar em subir, não se preocupe porque quanto mais o bebé mamar, mais rapidamente surgirá o leite.

Em resumo, o leite materno traz benefícios ao bebé porque:

  • Promove uma flora intestinal rica em bactérias benéficas;
  • Protege contra a obesidade futura, diabetes tipo 2 e doenças crónicas do adulto;
  • Previne as alergias;
  • Reforça o sistema imunitário graças aos seus ácidos gordos polinsaturados (LC-PUFAS), como o ARA e DHA, sendo que este último também ajuda no desenvolvimento da visão.

Para as mamãs, os benefícios da amamentação são:

  • O processo natural e mais prático: o leite está sempre disponível e à temperatura adequada para o bebé;
  • A forma de estimular as hormonas que ajudam à recuperação pós-parto;
  • Favoráveis à estimulação da oxitocina, hormonal responsável pelo retorno do útero ao seu tamanho normal antes da gravidez de forma mais rápida;
  • Um meio de prolongar o período de infertilidade após o parto, ajudando a prevenir contra gravidezes prematuras;
  • Ajuda a reduzir o risco de cancro da mama e de ovários, bem como a osteoporose.

Caso não possa amamentar, e embora o leite materno seja por excelência a opção natural para a alimentação do seu bebé, existem outras opções. Atualmente existem leites infantis que também ajudam a promover uma flora intestinal saudável no bebé, bem como a prevenir o rápido ganho de peso e as alergias. É, por isso, fundamental a escolha correta de um leite infantil adequado ao seu bebé, pelo que deverá seguir as indicações do profissional de saúde que acompanha o bebé.

 

DIVERSIFICAÇÃO ALIMENTAR

A etapa da diversificação alimentar do bebé inicia-se por volta dos 4-6 meses de idade e refere-se à introdução de outros alimentos na sua alimentação, para além do leite, que foi até aqui o seu único alimento. É, por esta altura, também que o bebé começa a adquirir hábitos alimentares que irão perdurar ao longo da sua vida adulta. Uma correta educação alimentar no início de vida assegura um crescimento adequado do bebé e proporciona também benefícios futuros para a saúde.

O processo de diversificação alimentar é importante porque:

  • Fornece a energia e os nutrientes necessários – proteínas, ferro, zinco, flúor e vitaminas D, C e E - para um crescimento e desenvolvimento óptimos do bebé;
  • Deverá substituir 50% da energia até aqui fornecida pelo leite materno ou fórmula de transição infantil;
  • Promove o estabelecimento dos laços afetivos entre o bebé e os pais;
  • Proporciona ao bebé agradáveis experiências sensoriais;
  • Estimula a coordenação e o desenvolvimento de habilidade do bebé por meio da comida

Sabia que...?

  • Os genes maternos e paternos não são os únicos que determinam a saúde do bebé?
  • A alimentação influencia o seu bebé mais do que imagina
  • O excesso de nutrientes não ajuda o seu bebé a crescer saudável
  • A nutrição nos primeiros mil dias é muito importante para a saúde do seu bebé

Ler mais

Junte-se ao Clube Bebé Nestlé

Ser mãe pode ser um descanso. Inscreva-se no nosso clube e receba informação personalizada para si e para o seu bebé!

  • Ofertas ExclusivasOfertas Exclusivas
  • Benefit 3Informação Personalizada
  • Amostras e Vales
  • Programa Educativo de NutriçãoPrograma Educativo de Nutrição

Inscreva-se já!

Conteúdo Relacionado